em

Sociedade doente, alienada e preconceituosa

Pessoas que aplaudem atitudes como a de Dudu Camargo, âncora do Primeiro Impacto do SBT, durante entrevista no sábado (22), são doentes

Ilustração (Foto: Pixabay)

No sábado (22), Dudu Camargo assediou diversas vezes a cantora e apresentadora Simony, durante cobertura do Carnaval 2020 pela RedeTV! e para completar, apalpou os seios da cantora. Pude observar a cara de constrangimento da apresentadora que disse em seguida: “Sai daqui! Que abusado esse Dudu!”.

Não ia comentar sobre o assunto, porém ontem (24), estava lendo uma reportagem do UOL no qual o cantor baiano Márcio Victor vocalista do Psirico que gravou o hit ‘Parabéns’ com a cantora Pabllo Vittar mandou um recado para o público “…Eu acho idiotice esse tipo de preconceito e perseguição com a Pabllo, ela é nossa, e isso tem que acabar”. E ao ler os comentários dos leitores decidi escrever este artigo. Temos aquela dúvida se o comentário foi realmente postado por um humano ou por robô, mas sabemos que algum doente projetou aquele texto preconceituoso.

Vivemos numa sociedade doente e alienada. Internautas escrevem textos preconceituosos justificando o preconceito. No caso do Dudu Camargo mencionado no início deste artigo, li textos de alguns blogueiros criticando o triste episódio e fiquei indignado também com os comentários de alguns leitores. Chegaram a mencionar que a cantora Simony foi culpada por estar usando aquela roupa e que ela estava gostando daquilo tudo para ganhar audiência.

Até quando iremos nos deparar com tamanhos absurdos como esses? Essas pessoas doentes que são incapazes de respeitar a mulher (independentemente da roupa que usa), incapazes de respeitar a liberdade de escolha e a diversidade, alienadas por ideologias políticas e religiões opressoras que pregam a moral e os bons costumes, são as mesmas pessoas que vivem na hipocrisia.

Eu conheço várias no meu cotidiano. Uma nação de fanáticos doentes que não têm capacidade de ‘RESPEITAR’, não é aceitar, mas ‘RESPEITAR’ as diferenças raciais, religiosas, a diversidade, a liberdade de escolha e a MULHER. O homem (incapaz de se evoluir) ‘machista’, que se acha no direito de tocar na mulher sem o seu consentimento, deve ser punido rigorosamente para dar exemplo para os outros. E precisa de tratamento psicológico.

Já no caso da Pabllo Vittar é preconceito sim. Se não gostar dela (por ela cantar ruim), não ouça. Agora distribuir comentários homofóbicos ou discurso de ódio pelas redes sociais só vai alimentar ainda mais os alienados e doentes preconceituosos. Boicotar um artista pela cor, religião ou orientação sexual é preconceito sim e nenhum argumento justifica.

E para finalizar: família não é só constituída entre homem e mulher. Família é quem cuida um do outro, quem educa, quem ensina, quem quer o bem do outro. Família é muito mais que DNA. Não precisa ter o mesmo sangue correndo nas veias para ser família. O que diz sua religião a respeito disso, fica para você na prática, mas deixa os outros decidirem por eles. Eu sou católico, sigo a doutrina da minha igreja e respeito a liberdade de escolha de cada um. Sou hétero e respeito a orientação sexual de cada um. Tenho a capacidade de respeitar e de evoluir, quem não tem, busque ajuda médica. O preconceito e o ódio não mudam nada, apenas geram violência. É RESPEITAR, ACEITAR E VIVER SUA VIDA!

Adamy Gianinni

Jornalista, blogueiro, fotógrafo, universitário, flamenguista de ❤ e escritor iniciante.
Saiba mais: https://adamy.blog/um-pouco-de-mim/

PUBLICIDADE
*Os comentários não representam a opinião do blogue, a responsabilidade é do autor da mensagem. Antes de comentar, leia os Termos e Condições de Uso.

Deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Jornalista Glenn Greenwald durante depoimento na CCJ do senado (Foto: Lula Marques)

Entidades brasileiras denunciam a órgãos internacionais perseguição contra Glenn Greenwald

(Imagem ilustrativa/Pixabay)

É preciso mais gestão para conter o coronavírus